News & Announcements

12/11/2013: Angola ruma para progresso e modernidade - Manuel Vicente

Angola ruma para progresso e modernidade - Manuel Vicente

Benguela - Angola deu em 11 anos de paz um salto gigantesco rumo ao progresso e à modernidade, bem como para a consolidação do Estado democrático e de direito, declarou ontem, segunda-feira, o Vice-presidente da República.

Manuel Vicente discursava no estádio nacional de Ombaka  (Benguela), onde decorreu o acto central do 38º aniversário da proclamação da Independência Nacional, que ontem se assinalou.

De acordo com o governante, "em apenas 11 anos de paz, Angola deu um salto gigantesco rumo ao progresso e à modernidade, recuperando ou construindo de raiz as infra-estruturas necessárias para sustentar o desenvolvimento económico e social e pondo em funcionamento as instituições necessárias para a consolidação de um Estado democrático de direito".

Reconhece haver ainda muito para fazer, mas se os angolanos se juntarem na defesa da paz, da reconciliação e da unidade nacional poderão vencer os desafios e construir uma Angola com mais saúde, educação, justiça, trabalho e pão para todos.

Disse ser por esta razão que o Executivo tem vindo a aumentar no Orçamento Geral do Estado as verbas para o sector social, a fim de atender paulatinamente às exigências do povo nos domínios da educação, saúde, energia e água, da produção alimentar e do combate à fome e a pobreza.

Manuel Vicente disse que a meta imediata, citando o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, é reduzir abaixo dos 35% os níveis de pobreza.

Salientou que, neste sentido, terá de se diversificar a economia angolana, ainda muito dependente do petróleo e dos diamantes, e explorar as grandes potencialidades agrícolas, piscícolas e industriais do país.

Segundo o Vice-presidente da República, o apoio ao comércio rural, a reabilitação de vias secundárias e terciárias, a melhoria dos transportes, a passagem do mercado informal para o formal são condições indispensáveis para se aumentar a oferta emprego e tornar o processo de desenvolvimento menos vulnerável e mais sustentável