News & Announcements

12/06/2013: Preservação da moeda nacional continua principal desafio do BNA

Preservação da moeda nacional continua principal desafio do BNA
Luanda – A preservação da moeda nacional, no intuído de manter a inflação em 1 dígito, de incitar a desdolarização e o crescimento das reservas, constitui o principal desafio da política monetária do Banco Nacional de Angola (BNA), no quadro das acções definidas para curto e médio prazos.
A informação foi reiterada em Luanda, pelo director de Estudos Económicos da instituição, Pedro Castro e Silva, acrescentando que o segundo desafio se prende com a estabilidade financeira, em que o objectivo é, sobretudo, a preservação do processo de intermediação financeira e o aumento da confiança dos agentes económicos.
O responsável, que intervinha no “Fórum sobre Mercados Financeiros em Angola”, promovido pelo Standard Bank, explicou que o terceiro desafio do Banco Nacional de Angola para este ano (2013) e provavelmente o próximo, tem a ver com a credibilidade institucional, ao passo que o quarto com a inclusão e dotação financeira.
De acordo com o interlocutor, que reportava o desempenho do Banco Central nos últimos cinco anos, o terceiro desafio incide sobre a consolidação da unidade de informação financeira, o alinhamento com organizações internacionais vocacionadas para a luta contra os crimes financeiros, assim como sobre a transparência e mais previsibilidade.
Já o seguinte (inclusão e dotação financeira), explicou Pedro Castro e Silva, consiste no aumento de mais clientes no sector e na disponibilização de mais informações, com vista a promover o crescimento do sistema financeiro, pelo facto de o aprofundamento financeiro na economia nacional ser ainda baixo.
Relativamente a perspectivas futuras, o director de Estudos Económicos do Banco Central disse que se quer manter a estabilidade da oferta da moeda, aumentar a oferta da moeda para transacções, dar continuidade à acumulação de reservas internacionais (…), a fim de terminar o presente ano com cerca de três triliões e 65 bilhões de Kwanzas em termos de reservas internacionais líquidas.