News & Announcements

13/03/2013: PR defende reflexão sobre garantia da paz nos Grandes Lagos

PR defende reflexão sobre garantia da paz nos Grandes Lagos

Luanda - O Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, apelou ontem terça-feira, em Luanda, para uma reflexão sobre a contribuição para fortalecer e tornar eficazes os mecanismos que serão estabelecidos para garantir a aplicação com êxito do acordo de paz e segurança na região dos Grandes Lagos do Leste de África.

José Eduardo dos Santos desejava “boas vindas” na abertura da cimeira tripartida com os estadistas da África do Sul, Jacob Zuma, e da República Democrática do Congo (RDC), Joseph Kabila, no Palácio Presidencial, na
Cidade Alta.

O Presidente da República disse que saúda a iniciativa do secretário-geral das Nações Unidas, que conduziu à assinatura do Acordo de Addis Abeba sobre a Paz e Segurança na Região dos Grandes Lagos do Leste de África e assume o compromisso de contribuir para a sua rápida implementação.

Esclarece que ao reunir nesta Cimeira Tripartida entre Angola, República Democrática do Congo e África do Sul para tratar de assuntos de interesse comum, não se pretende criar novas iniciativas sobre a paz na RDC.

“Queremos, sim, aprofundar a nossa reflexão sobre a contribuição que podemos dar para fortalecer e tornar eficazes os mecanismos que serão estabelecidos para garantir uma aplicação do referido Acordo com êxito”,
explicitou.

José Eduardo dos Santos declarou que Angola e a África do Sul têm laços especiais de cooperação com a RDC, e os três países têm interesses específicos comuns a proteger que podem configurar uma parceria estratégica
duradoura.

Referiu-se a barragem hidroeléctrica de Inga, o porto de Durban e o porto do Lobito como infra-estruturas que por si só já justificariam esse interesse, mas as possibilidades de cooperação que cada um dos países pode
oferecer ao outro, ultrapassa de longe este quadro.

Falou da importância da paz e estabilidade para o estabelecimento de acordos com parceiros de cooperação bilateral ou multilateral, sublinhando que cada um dos países procura a paz, a reconciliação e a unidade nacional nos respectivos países e todos cooperam na procura da paz e estabilidade regional.

O estadista angolano declarou o interesse se estudar a possibilidade de definir um Mecanismo de Cooperação Tripartido, que permita concertar e articular melhor a acção entre si no domínio político, diplomático,
económico, social e cultural, com benefícios recíprocos para os nossos povos.

José Eduardo disse esperar a tripartida seja positiva e útil, que traduza de facto que estão unidos na luta pelo desenvolvimento económico e pelo bem estar dos povos.