News & Announcements

10/03/2013: Governo mauriciano pretende fortalecer cooperação bilateral com Angola

Governo mauriciano pretende fortalecer cooperação bilateral com Angola

Port Louis  - O Governo da Ilhas Maurícias manifestou, em Port Louis , a sua inteira disposição para formalizar as relações de cooperação com a Angola em vários domínios,no sentido de incrementar as trocas comerciais e
fomentar o fluxo de negócios entre os sectores privados dos dois países.

Essa intenção foi manifestada por autoridades locais nos encontros mantidos com a chefe da Missão Diplomática , Josefina Pitra Diakite, depois da sua acreditação, quinta-feira última, pelo presidente Kailash Purryag, como embaixadora extraordinária e plenipotenciária da República de Angola nas Ilhas Maurícias.

“Acho que podemos cooperar e trabalhar juntos em vários sectores” - afirmou o chefe de Estado, Kailash Purryag, acrescentado que  a “República das Maurícias conseguiu sair de uma condição de pobreza extrema, analfabetismo e desemprego em massa,  tornando-se num país próspero, graças à aposta feita na educação sólida e capacitação humana da sua população, tendo gerado quadros capazes de produzir e transformar a matéria prima em produtos acabados para o consumo local e exportação para vários países.

Ao pronunciar-se sobre as possíveis áreas de cooperação bilateral, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Integração Regional e Comércio Internacional das Maurícias, Arvin Boolell, apontou a necessidade da assinatura
de Memorandos e Acordos  nas áreas de comércio, educação, capacitação de quadros, agro-indústria, facilitação de vistos e intercâmbio cultural.

Por seu turno, o secretário-geral da câmara do comércio e indústria desse país, Raju Daddoo, disse à mbaixadora Diakite que as Ilhas Maurícias dispõem de sistemas e experiências que podem beneficiar Angola, mormente, nas áreas da indústria açucareira e na capacitação do seu sector privado, de forma a torná-lo operacional e mais activo na participação do processo de desenvolvimento económico do país.

Raju Daddoo indicou que Angola pode igualmente trazer investimentos às Ilhas Maurícias, sobretudo na área da petroquímica e combustíveis, bem como exportar diamantes polidos para alimentar o mercado de joalheira.

Em quase todos encontros mantidos com a embaixadora, as entidades mauricianas sugeriram a criação de condições para fazer deslocar uma delegação de homens de negócios a Angola para contactos exploratórios com as autoridades e identificar potenciais parceiros.

Entretanto, o chefe do protocolo em exercício do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Integração Regional e Comércio Iinternacional, R. Sookun, e o director para Cooperação Bilateral da mesma instituição, Haymandoyal Dillum, manifestaram-se preocupados com os constrangimentos na obtenção de vistos para Angola.

Neste contexto, o governo das Ilhas Maurícias já remeteu às autoridades angolanas um pedido de supressão de todo o tipo de vistos para os cidadãos dos dois países.

Essa situação foi reiterada pelo presidente da Agência de Investimentos das Maurícias, Maurice Lam, tendo acrescentado que o actual sistema, que exige a obtenção de vistos a partir da África do Sul, cria embaraços, aumenta as despesas de viagem e constitui um factor de desencorajamento para os homens de negócios.

Maurce Lam sugeriu que em caso de dificuldades de supressão total de vistos, Angola poderia criar um mecanismo que permita aos mauricianos os obter no aeroporto de chegada.

Ao responder as propostas e preocupações apresentadas pelas autoridades maurícias, a Embaixadora Josefina Pitra Diakite assegurou que vai trabalhar no sentido de estabelecer a cooperação bilateral e ajudar a criar
mecanismos que possam ligar cada vez mais o povo de Angola às Ilhas Maurícias, através do intercâmbio cultural, das trocas comerciais e da cooperação nas áreas em que os dois países possam obter vantagens recíprocas.

A embaixadora Josefina Pitra Diakite tem residência permanente em Pretória, República da África do Sul, onde foi acreditada em Fevereiro de 2012, aguardando a sua acreditação como chefe das missões diplomáticas de
Angola, não residente, no Reino do Lesotho e na República de Madagáscar.

A República das Maurícias é composta por quatro ilhas no sudeste de África, no oceano Índico. O país obteve a sua independência da Inglaterra aos 12 de Março de 1968. Com uma superfície de dois mil e quarenta
quilómetros quadrados, as Ilhas Maurícias têm uma população de um milhão e trezentos mil habitantes, com uma esperança de vida estimada em 73 anos.

A sua economia é predominantemente sustentada pelo sector privado nacional, tendo as indústrias açucareira e têxtil, o turismo, cultivo de flores e tabaco e a pesca como principais fontes de receita desse país, que usa
o Francês e o Inglês como línguas oficiais e a Rupia (MUR), como moeda nacional.