News & Announcements

21/12/2012: MINEA prevê receber 334 biliões de kwanzas do Estado em 2013

MINEA prevê receber 334 biliões de kwanzas do Estado em 2013
 
Luanda – O Ministério da Energia e Águas (Minea) prevê receber, em 2013, cerca de 334 biliões de kwanzas do Plano Nacional e do Orçamento Geral do Estado (OGE) para a materialização dos programas e outras estratégias prioritárias do sector.
O anúncio foi feito nesta quinta-feira, em Luanda, pelo ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, durante o seu discurso de final de ano, tendo sublinhado que com base nos programas e prioridades traçadas pelo sector, está em fase de aprovação o Plano Nacional e o OGE, para 2013, de cerca de 334 biliões de kwanzas, destinado ao Minea.
Esse montante, referiu, representa um aumento de cerca de 170 porcento em relação a 2012, facto que demonstra a prioridade que o Executivo e o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, atribuem ao Minea.
Segundo o governante, 227 biliões, do montante, serão utilizados em projectos do sector eléctrico, com incidência para a construção dos aproveitamentos hidroeléctricos de Capanda II, Laúca e Central de Ciclo Combinado do Soyo.
Informou que 107 biliões serão canalizados para os projectos do sector das Águas, com destaque para as estações do Bita e Quilonga Grande, bem como em projectos de reabilitação dos sistemas de água das capitais provinciais e de 120 municípios.
Constatou, por outro lado, que os sectores das Águas e Energia necessitam ganhar auto sustentabilidade de forma a reduzirem as suas dependências do OGE, principalmente nas questões inerentes aos custos operacionais.
"O Minea tem a responsabilidade de assegurar a execução de importantes acções de investimentos nos sectores das Águas e Energia, que conduzam gradualmente a um aumento da oferta desses dois bens de consumo à população", ressaltou.
Estiveram presentes na cerimónia, o secretário de Estado das Águas, Luís Filipe da Silva, directores nacionais do Minea, presidentes dos conselhos de administração das empresas do sector, administradores, funcionários seniores, entre outros técnicos da instituição.