News & Announcements

06/12/2012: Embaixada dos EUA mobiliza empresários para investir em Angola

Embaixada dos EUA mobiliza empresários para investir em Angola
 
Luanda – A Embaixada dos Estados Unidos da América em Angola trabalha na mobilização dos empresários do seu país, para que possam aproveitar as oportunidades e investir no mercado angolano, disse hoje, quinta-feira, em Luanda, o embaixador americano acreditado no país, Christopher Mcmullen.
Em declarações à imprensa, no final da audiência que lhe foi concedida pelo ministro da Geologia e Minas, Francisco Queiróz, Christoher Mcmullen afirmou que abordou com o governante angolano as possibilidades dos EUA investirem no sector mineiro nacional.
Ao agradecer os comentários feitos por Angola na recente reunião sobre o processo kimberly, em Washington, adiantou que “ Angola tem jogado um papel muito forte no grupo de trabalho artesanal, um grupo importante dentro do processo kimberly.
Informou que durante este ano deslocou-se três vezes a África do Sul para falar com empresas americanas sobre a possibilidade de investirem em Angola.
“Há muito interesse destas empresas investirem em Angola. Vou voltar à África do Sul o próximo ano, com uma delegação de empresários angolanos de alto nível, para estabelecer contactos directamente com as companhias americanas com sede na África do Sul”, referiu.
Quanto ao novo Código Mineiro, o embaixador americano disse ser uma lei muito fácil de entender e de ser utilizada, quer por investidores estrangeiros, quer por angolanos.
Por sua vez, o ministro da Geologia e Minas, Francisco de Queiróis, disse recentemente, em Washington, que o sector dos diamantes em Angola se encontra em recuperação, depois das crises da Europa de 2011 e financeira internacional de 2008.
Afirmou que o Processo de Kimberly existe há dez anos e é um instrumento que tem mostrado muita eficiência e segurança no que diz respeito à indústria diamantífera e tem contribuído para a estabilização do mercado de diamantes.
O Processo de Kimberley teve início quando os Estados da África Austral, produtores de diamantes, se reuniram em Kimberley, África do Sul, em Maio de 2000, para discutir formas de impedir o comércio de diamantes de conflito (conhecidos também como diamantes de sangue) e assegurar que não financiasse a violência.
Em Dezembro de 2000, a Assembleia Geral da ONU aprovou uma resolução para apoiar a criação de um sistema de certificação internacional dos diamantes brutos. Em Novembro de 2002, as negociações entre os governos, a indústria internacional de diamantes e organizações da sociedade civil resultaram na criação do Sistema de Certificação do Processo de Kimberley (SCPK).
O Processo de Kimberley envolve governos, indústrias e organizações da sociedade civil com vista a impedir a venda ilegal de diamantes de conflito.