News & Announcements

15/07/2012: Angola refuta culpa no golpe de estado na Guiné-Bissau e manifesta-se pronta a cooperar

Angola refuta culpa no golpe de estado na Guiné-Bissau e manifesta-se pronta a cooperar

Addis Abeba (Do enviado especial) - Angola refuta qualquer responsabilidade no golpe de estado na Guiné-Bissau e manifesta vontade de cooperar para ultrapassar a crise, declarou sábado, em Addis Abeba (Etiópia), o ministro da Relações Exteriores.

Georges Chikoti falava à imprensa no final de uma reunião do Conselho de Paz e Segurança (CPS) da União Africana, a nível de Chefes de Estado e de Governo para analisar a crise instaurada no Mali e o conflito entre o Sudão e o Sudão do Sul. A questão da Guiné-Bissau foi introduzida a meio do encontro.

O ministro reagia ao relatório da Comunidade Económica da África do Oeste (CEDEAO) que indicava que o golpe de estado de Abril deste ano na Guiné-Bissau se deveu á presença de tropas angolanas naquele país.

A CEDEAO defende também o reconhecimento dos golpistas, bem como o levantamento das sanções internacionais.

O governante angolano manifestou a disposição de cooperar com instituições regionais e internacionais para se ultrapassar a crise política na Guiné-Bissau.

Defende que se promova no país um processo mais inclusivo, criando as condições de segurança para que todos os cidadãos possam participar na vida política, particularmente, em caso de eleições.

Salientou que a União Africana defende as decisões tomadas na Comissão de Paz e Segurança, faltando aplicar sanções complementares.

“Muitaspessoas estão a fugir do país. Resta que a CPLP e a CEDEAO criem consensos sobre as medidas a aplicar para que o país volte à normalidade”, enalteceu.

A Guiné-Bissau é um país com um historial de vários golpes de estado, com mortes inclusive de Presidentes da República.

A Missão Militar Angolana na Guiné-Bissau “Missang”, composta por cerca de 200 elementos de diferentes especialidades, foi formalmente lançada a 21 de Março de 2011, em Bissau numa cerimónia presidida pelo já falecido Presidente da República, Malam Bacai Sanhá, na presença do ministro angolano da Defesa,
Cândido Van-Dúnem, em resultado de um acordo de cooperação técnico-militar.

Na sequência do golpe de estado, Angola retirou a missão que visava a reestruturação das forças de defesa e segurança do governo daquele país.