News & Announcements

06/03/2012: Georges Chikoti e Wendy Sherman traçam caminhos para cooperação frutífera e concreta

Georges Chikoti e Wendy Sherman traçam caminhos para cooperação frutífera e concreta

Luanda - O encontro entre o ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Chikoti, e a subsecretária norte-americana para os Assuntos Políticos, Wendy Sherman, permitiu traçar caminhos para uma cooperação mais frutífera e concreta entre Angola e os EUA no quadro da parceria estratégica.

Este facto foi referenciado à imprensa pelos dois interlocutores no final da audiência de cerca de uma hora que o ministro angolano concedeu à responsável norte-americana.

Segundo o ministro Georges Chikoti, este foi um encontro frutífero, durante o qual foram abordados todos os temas com muita abertura.

O ministro mostrou-se ainda impressionado com a visão da embaixadora Wendy, subsecretaria para as questões políticas, sobre os problemas que o mundo atravessa e a forma como Angola e os EUA podem cooperar, não só no plano bilateral, como no plano multilateral, bem como sobre várias questões
específicas.

O ministro referiu ainda que o encontro permitiu também traçar as primeiras ideias que irão consolidar no âmbito da parceria estratégica entre os dois países, mas também preparar já a sua próxima visita aos EUA, durante a qual se pretende consolidar esta parceria estratégica, acordada há dois anos.

"Hoje iniciamos uma nova era nas relações entre os dois países, na abordagem da forma como podemos dar substância a estas relações com base no respeito mútuo ", disse.

Por sua vez, a subsecretária norte-americana para os Assuntos Políticos referiu que foi um excelente encontro, que serviu para a discussão de assuntos locais, regionais e globais.

Wendy Sherman disse ainda que eles foram muito abrangentes concretos e substantivos, tendo os dois países decidido trabalhar juntos para, entre outros temas, a concretização de um plano energético vigoroso.

Acrescentou ainda que o encontro serviu para a abordagem do processo de democratização, integração regional e cooperação no sector de segurança.

Manifestou também a disposição das autoridades norte-americanas em apoiar o processo eleitoral angolano, mas referiu que a eleição cabe aos angolanos.

Por outro lado, mostrou-se satisfeita pelo facto de o país possuir uma sociedade civil e partidos políticos muito activos.