News & Announcements

21/02/2012: Angola quer ser parceiro fundamental da comunidade Internacional

Angola quer ser parceiro fundamental da comunidade Internacional

Londres  - O ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Rebelo Chikoti, disse, em Londres, que a República de Angola deve ser considerada um parceiro económico fundamental para a comunidade internacional, tendo em conta as suas potencialidades económicas e recursos naturais.

O ministro teceu essas declarações à imprensa angolana e estrangeira quando fazia o balanço do primeiro dia da sua visita ao Reino Unido, a convite das autoridades britânicas.

Segundo o chefe da diplomacia angolana, a comunidade internacional e sobretudo o Reino Unido está engajada em ajudar Angola no processo de reconstrução, mas precisa conhecer, com profundidade, a verdadeira
realidade do país.

Georges Chikoti disse que teve esta apreciação nos vários encontros mantidos em Londres, com as autoridades britânicas, quer com o seu homólogo, William Hage, e também com os deputados da Câmara dos Lordes e dos Comuns.

Nesses encontros, o ministro falou dos problemas que prevalecem no continente africano, com destaque do Zimbabwe, República Democrática do Congo, Guiné-Bissau e Madagáscar, e as responsabilidades que Angola tem estado a assumir, essencialmente no âmbito da SADC.

Nesta segunda-feira, o titular da pasta das Relações Exteriores fez uma dissertação, no Centro de Estudos e Pesquisas Internacionais de Londres (Chatham House), sobre os desafios e oportunidades de negócios em Angola, à luz da recente Lei de Investimento Privado em Angola.

Um encontro em que participaram académicos, organizações não governamentais, estudantes universitários e a sociedade civil britânica, com destaque para a antiga enviada especial das Nações Unidas para a Comissão de
Manutenção e Verificação do Processo de Paz em Angola, UNAVEM, Margareth Anstee.

Na palestra, o ministro falou dos elementos da política externa de Angola e das suas acções nas organizações regionais, da preparação do processo eleitoral, da internacionalização da Sonangol e dos progressos que se
registam na construção e reabilitação de infra-estruturas sociais do país, bem como na melhoria das condições de vida da população.

No encontro,  Georges Chikoti respondeu a todo o género de perguntas, inclusive àquelas que ele considerou “pessoais, provocatórias e difíceis de se responder”.

Ontem o dia foi reservado a um encontro com os embaixadores da SADC e um outro com os chefes das missões diplomáticas do grupo africano.

O programa previu igualmente um encontro de cortesia na Administração Local de Westminster, e na Faculdade de Negócios, da City University, em Londres. Uma mesa redonda sobre investimentos, onde o governante angolano fez uma abordagem sobre os desafios e oportunidades de negócios em Angola, à luz da recente Lei de Investimento Privado em Angola, fez parte da agenda de ontem.