Press Release

06/10/2016: MINISTRO DO PLANEAMENTO DEFENDE MAIOR IMPULSO ECONÓMICO

 MINISTRO DO PLANEAMENTO DEFENDE MAIOR IMPULSO ECONÃMICO

Luanda - Os governantes que participam nas reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial (BM), a partir desta quinta-feira, em Washington, devem trazer um novo impulso às economias dos países, por via dos incentivos fiscais.

Segundo o ministro do Planeamento, Job Graça, citado numa nota de imprensa que a Angop teve acesso, o novo impulso se justifica porque o potencial das políticas monetárias para dinamizar as economias parece ter chegado ao fim.

Na nota da Embaixada de Angola nos Estados Unidos,  o governante refere que durante o encontro entre os governos falar-se-á das janelas que ainda estão disponíveis do lado fiscal e das provas estruturais para ver se as economias voltem a crescer.

"O mundo hoje continua a apresentar uma tendência de taxas de crescimento relativamente fracas ao contrário do que aconteceu em anos passados, onde a taxa de crescimento da economia mundial era superior a cerca de 3.5 porcento, revista para 2016 para um nível inferior de 2.5 porcento",  afirmou o governante que chefia a delegação Angolana que participa nas reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

Esta realidade para os países em desenvolvimento não é suficiente para reduzir os índices de pobreza, a preocupação é encontrar factores para que as taxas de crescimento dos países e do mundo sejam mais robustas, acrescentou o ministro.

Segundo o governante, a República de Angola nunca perdeu o seu optimismo, apesar de estar em presença do efeito de um choque petrolífero negativo de natureza estrutural, o país tem potencial para diversificar a sua economia.

"Naturalmente que com o preço do petróleo tendendo para alta, este é um exercício que se torna mais factível, na medida em que podemos buscar recursos próprios para financiar um conjunto de acções que do lado do investimento público e do sector privado podem ser empreendidas para mover a economia de uma situação de crise para uma situação em que as taxas de crescimento são mais robustas e os ganhos para a sociedade como um todo possam ser maiores", observou o governante.

De acordo com a agenda de trabalhos, na quarta-feira a delegação Angolana manteve encontros com o Chinês Zhang Tao, Director Geral adjunto do FMI, a Zambiana Chileshe Mpundu Kapwepwe, Directora Executiva para África do FMI na 1ª Constituência e com o Director do Departamento Africano do FMI.

A delegação Angolana continua hoje a sua participação em vários encontros, nomeadamente na reunião ministerial da ANSA (Constituência de Angola junto do Banco Mundial).

Integram a delegação angolana, Valter Filipe Duarte da Silva, Governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Suzana Maria de Fátima Camacho Monteiro, vice-Governadora do BNA e Aia Eza Gomes, Secretária de Estado das Finanças para o Orçamento, bem como quadros superiores das instituições governamentais presentes, assim como diplomatas séniores em missão em Washington.

Após as reuniões anuais das organizações de Bretton Woods, prevê-se para o dia 11 deste mês a realização de uma mesa redonda organizada pela Câmara de Comércio EUA-Angola, entre o Banco Nacional de Angola, Bancos americanos e Bancos comerciais do nosso país, nomeadamente o BFA, Millennium Atlântico e o BNI.