Press Release

29/09/2016: MINISTRO DO COMÉRCIO DE ANGOLA INTERAGE COM PARCEIROS AMERICANOS

MINISTRO DO COMÃRCIO DE ANGOLA INTERAGE COM PARCEIROS AMERICANOS

Washington - O ministro do Comércio, Fiél Constantino, que chefiou em Washington a delegação Angolana ao Fórum AGOA 2016, que decorreu  de 22 a 26 de Setembro de 2016, interagiu nesta quinta-feira, dia 28, com parceiros americanos e africanos.

O evento, organizado pela Câmara do Comércio EUA-Angola, serviu para marcar a estadia do dirigente Angolano que pela primeira vez visitou os Estados Unidos e apresentar o Plano do país em relação às vantagens oferecidas pela AGOA.

Durante o evento que teve a duração de duas horas, o ministro do Comércio de Angola, falou do que espera da AGOA (Lei sobre Crescimento e Oportunidade de Desenvolvimento em África), numa altura em que os EUA, estão prestes a passar de uma administração para outra, após a eleição presidencial prevista para o próximo dia 8 de Novembro.

"De acordo com as discussões que tivemos, a AGOA deve continuar por um período de pelo menos dez anos ou seja até 2025. Ainda assim, pensamos que para estratégias de desenvolvimento, é uma perspectiva muito curta, disse o titular angolano da pasta do Comércio, que acrescentou que se "os países africanos formatarem as suas economias para se especializarem e exportar para os EUA, precisam de estar certos de que são igualmente capazes de exportar para outros mercados, porque a economia Africana não pode ser vista com um limite de dez anos".

Informou que durante o Fórum AGOA, foi acordado que é necessário aumentar a cadeia de valores das economias Africanas, no comércio com os EUA, o que nos leva ao tema da industrialização, com fortes investimentos nos sectores da energia e infraestruturas, a fim de impedir a expiração de um modelo de exportação de produtos-base.

"Entedemos que a AGOA deve ser mais controlada pela  estratégia global de desenvolvimento de África, de comércio livre e continental e industrialização, e no âmbito da AGOA não temos todos os países do continente, incluindo os da África subsahariana, não sendo todos elegíveis, enfatizou Fiél Constantino, reforçando que devemos estar certos de que tudo o que fôr feito no contexto da AGOA, benefice a todos.

Angola continua a estimular todos os países que tiram grande proveito da AGOA, mas "pensamos ser necessário acautelar que as relações intra-continentais e a estratégia global de desenvolvimento do continente não seja prejudicada por acordos parciais e particulares",  rematou o governante Angolano.

Para além da componente geo-política, e em termos de  implementação e divulgação local no país, o responsável Angolano, enfatizou os contactos  institucionais e o acompanhamento, factor pelo qual o nosso país esteve presente ao Fórum, mas segundo disse "pensamos que os maiores constrangimentos existem a nível operacional".

"Os operadores económicos Angolanos dizem enfrentar muitas dificuldades para tirar proveito da AGOA e nos últimos meses temos notado um maior interesse do empresariado privado em estabelecer uma cooperação mais directa com empresários americanos" disse Fiél Constantino que enfatizou a assistência no domínio da formação, considerando-a de muito importante, dadas as diferenças das regras dos dois mercados, com leis diferentes como por exemplo no que diz respeito às leis alfandegárias, o que pode ser superado com a aquisição de mais conhecimentos.

Referência foi feita aos empresários que já ultrapassaram tais dificuldades e a chegada do café Cazengo aos EUA, após 40 anos, é uma prova disso, asseverou.

O evento contou com a participação de Agostinho Tavares, embaixador de Angola nos EUA, Ana Dias Lourenço, Directora Executiva da 25ª Constituência do Banco Mundial, António Henriques da Silva, PCA da APIEX, diplomatas séniores em missão em Washington. Esteve igualmente presente Aaron Martz, Desk Angola do Departamento de Estado dos EUA.

O encontro reuniu homens e mulheres de negócios dos EUA e de África residentes, interessados em saber quais as oportunidades de comércio e investimento que a República de Angola oferece neste momento.

A delegação angolana deixou ontem Washington de regresso ao país.