Press Release

08/04/2016: EUA: EMPRENDEDORES DISCUTEM PROCESSO DE DIVERSIFICAÇÃO ECONÓMICA

 EUA: EMPRENDEDORES DISCUTEM PROCESSO DE DIVERSIFICAÃÃO ECONÃMICA

Washingto - Um workshop de negócios sobre o papel da diáspora no processo de diversificação económica em África teve lugar quarta-feira (6 de Abril), nas instalações da Embaixada de Angola nos EUA, para assinalar a celebração do 14º aniversário do Dia da Paz e Reconciliação Nacional.

O evento, organizado pela Missão Diplomática em Washington D.C., direccionado à diáspora angolana em particular e africana, no geral, teve como principal objectivo informar sobre alguns dos serviços, programas e iniciativas do Governo americano disponíveis para a diáspora.

Os mesmos visam providenciar a assistência necessária para a implementação das suas actividades de negócios, como sendo a criação de pequenas e médias empresas, sobretudo nos seus países de origem.

O embaixador de Angola nos EUA, Agostinho Tavares, abriu o workshop, incentivando os participantes, homens e mulheres de negócios presentes, alguns dos quais ainda em fase inicial da sua actividade empresarial, a tirarem o máximo proveito das ferramentas existentes e mecanismos postos à sua disposição pelo Governo dos EUA, a fim de que possam progredir nas suas actividades e estabelecer parcerias.

Com isso, contribuir de maneira eficaz, nos seus respectivos países, em variados sectores para a diversificação económica visando o seu desenvolvimento.

O workshop, constituído por dois painéis, teve como principais oradores representantes da OPIC (Corporação Exterior de Investimento Privado), uma agência independente do Governo americano, que apoia o investimento privado em mais de 160 países em desenvolvimento e pós-conflito em todo o mundo em produtos que produzem benefícios económicos e ambientais e catalisa receitas, empregos e oportunidades de crescimento.

Os projectos da OPIC em África e noutros continentes abrangem sectores de recursos renováveis, alimentação, saúde, turismo, infra-estruturas, microfinanças, serviços financeiros, tecnologia e comunicações.

Igualmente presente esteve a instituição Africa Diaspora Market Place, cujo objectivo principal é encaminhar, assistir e orientar pequenos e médios empresários da diáspora que iniciam os seus negócios a fim de que possam seguir o rumo certo, pensando sempre no retorno aos seus países de origem.

De destacar a presença de Nádia Cruz, administradora da Comissão Executiva da Comunidade de Empresas Exportadoras e Internacionalizadas de Angola (CEEIA), que considerou oportuna a organização do evento com a participação de empresários americanos e da diáspora.

"A cooperação permite o investimento, partilha de conhecimentos e dessiminação de informação, o que é muito importante, uma vez que não somos peritos em todas as áreas e sectores e é com a cooperação e universalidade que poderemos investir mais e melhor em cada negócio e país", disse.

A representante da CEEIA congratulou-se com a iniciativa que considerou como sendo uma oportunidade salutar de troca de experiências entre os empresários presentes.

Foi manifestado o interesse por parte de alguns empresários americanos num possível investimento em sectores prioritários no país, nomeadamente educação, saúde e agricultura, pressupondo uma diversificação para outros sectores não menos importantes como o da energia e cultura.

Durante o evento, pequenos e médios empresários angolanos, de outros países do continente, bem como americanos tiveram a oportunidade de expor os seus trabalhos o que foi bastante aplaudido pelos presentes.

A missão diplomática aproveitou a oportunidade para expor peças do artesanato angolano e diverso material informativo promocional sobre o país.

Por sua vez, a representação comercial apresentou uma amostra do café nacional Nginga, que despertou o interesse de todos os presentes.

A maioria dos pequenos e médios empresários angolanos presentes eram jovens mulheres, que expuseram os seus trabalhos, entre os quais tapeçaria, bordados e arranjos para presentes além de peças de bijouteria diversa feita manualmente.

Uma amostra única de quadros feitos com missangas africanas exposta por uma empresária americana chamou a atenção dos presentes.

Na sua breve alocução de encerramento, Agostinho Tavares, embaixador de Angola nos EUA, enfatizou a importância das informações partilhadas pelos peritos das diversas agências do governo americano.

Ressaltou que estas beneficiam os pequenos e médios empresários da diáspora, cujo número é digno de realce e encorajou os homens de negócios dos EUA a investir em Angola com o seu know-how e experiência dado o ambiente propício de negócios e as excelentes oportunidades de investimento que o país apresenta.

Participaram igualmente no evento diplomatas em Washington.