News & Announcements

17/02/2016: PN soube manter a paz e defender a democracia - Santa André Pitra "Petrof"

PN soube manter a paz e defender a democracia - Santa André Pitra "Petrof"

Luanda - O primeiro comandante-geral da Polícia Nacional e antigo ministro do Interior da República de Angola, general Santana André Pitra "Petrof", afirmou nesta terça-feira, em Luanda, que a corporação soube sempre manter a ordem e a paz e defender a democracia nos momentos mais cruciais do país.

Santana André Pitra "Petrof", actual  conselheiro do Presidente da República, que falava numa palestra sobre o percurso histórico da corporação, no âmbito dos seus 40 anos de existência, declarou que a polícia angolana acumulou ao longo dos anos bastante experiência e actualmente é uma organização bastante aceitável.

Considerou de positivo o desenvolvimento da Polícia Nacional, que soube manter bem alto o standart que inicialmente era "Pela Ordem e Pela Paz ao Serviço do Povo", hoje "Pela Ordem e Pela Paz ao Serviço da Nação".

Disse sentir-se bastante orgulhoso por ter liderado um grupo de elementos que o reconheciam como seu líder, dos quais destacou Zeca Madaleno, Ambrósio de Lemos (actual comandante Geral da PN), Salvador Rodrigues, Francisco Pestana, Fernando da Conceição "Mussolo" e o grupo do destacamento feminino, onde se enquadrava Elisabeth Ranq Frank "Beth".

"Modéstia a parte, estou orgulhoso daquilo que fiz na Polícia Nacional", expressou Santa André Pitra "Petrof", salientando que após a proclamação da independência nacional, em 1975, tiveram que procurar experiência noutros países e o primeiro foi Cuba, do qual surgiu a primeira assessoria.

Segundo a fonte, a polícia deve ser essencialmente preventiva e não repressiva. "E nós continuamos a ser assim".

Santana André Pitra "Petrof" referiu, por outro lado, que gostaria de ver combatido o fenómeno da "gasosa" no seio da corporação.

"O pior que pode acontecer num país é ter uma polícia corrupta. O agente de autoridade deve ser o primeiro a dar o exemplo de boa conduta", disse.