News & Announcements

04/01/2012: Presidente de Angola e da CPLP reage a acontecimentos em Bissau

Presidente de Angola e da CPLP reage a acontecimentos em Bissau

Luanda - O Presidente da República de Angola e Presidente em Exercício da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), José Eduardo dos Santos, condenou “veementemente” a acção ocorrida no dia 26 de Dezembro de 2011 na cidade de Bissau, perpetrada por um grupo de militares amotinados que, a
pretexto da reivindicação dos seus salários, ocupou o paiol do Quartel de Amura.

Esta condenação, segundo se soube em Luanda de fonte oficial, está contida numa carta enviada no final do ano passado aos seus homólogos desta organização (CPLP), na qual refere que os militares amotinados tentaram igualmente assaltar o Quartel do Exército e o Estado-Maior General das Forças Armadas guineenses.

O Presidente da CPLP considerou essa acção “potenciadora de instabilidade” e apelou aos membros das Forças Armadas da Guiné-Bissau, particularmente às Chefias Militares, “para que se abstenham de qualquer
ingerência nos assuntos políticos e respeitem a sua tutela e a ordem constitucional, assim como o Estado de Direito e os direitos humanos”.

O Presidente José Eduardo dos Santos acrescenta na carta que os esforços envidados pela CEDEAO, para a conclusão e assinatura de um Memorando de Entendimento relativo à aplicação do roteiro sobre a reforma da
Defesa e Segurança, assim como o recente prolongamento pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas do mandato da UNIOGBIS até Fevereiro de 2013.

“São reveladores da atenção que a comunidade internacional presta à República da Guiné-Bissau, tendo em vista a consolidação da paz e da estabilidade interna e o resgate da esperança num futuro melhor para todo o povo
guineense”, lê-se na carta.

O Presidente da CPLP reitera por essa razão o seu apoio “à implementação da reforma do sector da Defesa e Segurança e das reformas económicas na Guiné-Bissau, como elementos determinantes para o processo de
estabilização sociopolítica desse país e apela a todos os Estados membros para que reafirmem o seu engajamento na promoção das boas relações de amizade, solidariedade e cooperação com a República da Guiné-Bissau”.