News & Announcements

20/10/2014: Ministro da Defesa e enviado americano falam dos Grandes Lagos

Ministro da Defesa e enviado americano falam dos Grandes Lagos

Luanda - Questões ligadas à actual situação na Região dos Grandes Lagos estiveram no centro do encontro mantido ontem, domingo, em Luanda, entre o ministro da Defesa Nacional, João Gonçalves Lourenço, e o enviado especial dos Estados Unidos da América para a região, Russell Feingold.

À saída do encontro, de uma hora, no Ministério da Defesa Nacional, Russell Feingold disse à imprensa que uma das questões pertinentes abordadas com o governante angolano tem a ver  com  o envolvimento de alguns grupos armados que, no leste da República Democrática do Congo ( RDC), praticam crimes  condenáveis  pela comunidade internacional.

"Chegamos a um entendimento e estamos completamente de acordo, incluindo a comunidade  internacional, que o grupo armado Forças Democráticas de Libertação  do Rwanda (FDLR), tem de ser eliminado no futuro próximo", esclareceu o diplomata norte-americano.

Russell Feingold adiantou que estas forças rebeldes cometem  vários crimes no Rwanda e na RDC, e em função destas atrocidades as Nações Unidas, através de uma resolução, anunciaram que o ultimato para este grupo depôr as armas e desmobilizar os seus efectivos está a chegar ao fim.

"Todos temos que trabalhar juntos para alcançar o objectivo de acabar com estas forças negativas", ressaltou o diplomata que se encontra em Angola pela quarta vez a participar  na reunião  dos Chefes de Estado Maior da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), que teve início este sábado, em Luanda, que antecede  ao encontro a nível de ministros deste órgão da sub-região marcada para segunda-feira (20), também aqui na capital.

Russell Feingold reafirmou que os Estados Unidos da América reconhecem e agradecem a liderança de Angola na presidência da CIRGL, na pessoa do seu Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

Disse ainda que o seu país reconhece igualmente "a análise justa  e clara  que as autoridades angolanas fazem  dos problemas  que acorrem actualmente na  Região dos Grandes Lagos".

Angola assume essa  presidência rotativa  da CIRGL deste Janeiro deste ano. São membros deste organismo: Angola, Burundi, República Centro-Africana (RCA), República do Congo, República Democrática do Congo (RDC), Quénia, Uganda, Rwanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia.

A CIRGL foi criada após os conflitos políticos que marcaram a região dos Grandes Lagos, em 1994, cujo resultado marcou o reconhecimento da sua dimensão e a necessidade de um esforço concentrado com vista à promoção da paz e do desenvolvimento na região.