News & Announcements

13/06/2014: Mundial2014: Festa africana começa hoje com olhos em inéditas "meias"

Mundial2014: Festa africana começa hoje com olhos em inéditas "meias"

Luanda - A festa maior do futebol já é uma realidade desde quinta-feira, no Brasil, mas para África ela inicia hoje e traz o renovar da esperança de atingir as meias-finais de um campeonato do mundo.

Desde a sua 1ª edição em 1930 - excepto no período da 2ª guerra mundial (1939-1945) - o campeonato do mundo de futebol é uma festa garantida a cada quatro anos e é superada em audiência apenas pelos jogos olímpicos de Verão.

Este evento, foi criado em 1928 sob a liderança do então presidente da FIFA Jules Rimet (que deu nome ao troféu de campeão do Mundo), e começou no Uruguai, com a primeira edição a disputar-se entre 13 e 30 de Julho de 1930, com 13 países e ganha pelos anfitriões. África entretanto marcou a primeira presença em 1934 com o Egipto.

O formato actual do Mundial é com 32 selecções desde 1998, mas já foi de 16, e depois passou a 24 em 1982. O continente africano tem cinco lugares, mas já teve seis excepcionalmente na edição passada.

O Mundial Brasil2014 assinala o regresso da festa do futebol a um país de expressão portuguesa 64 anos depois. Mas o único país lusófono que já organizou a competição não há-de querer que se repita o desfecho de 1950, em que deixou escapar o título para o Uruguai.

Durante este campeonato, será posto à prova o slogan de que o Brasil é o país do Futebol, Samba e Carnaval, face às manifestações anti-Copa que se registaram antes do evento. Para tal, o desempenho da selecção anfitriã, comandada por Neymar deu quinta-feira indicador positivo.

A Espanha, do alto do seu trono de rainha do futebol mundial, com a conquista das principais competições do "desporto rei" desde 2008, vai procurar contrariar o seu soberano, rei Juan Carlos, que recentemente abdicou.

Entretanto, as atenções estarão centradas no que Messi e Cristiano Ronaldo, os melhores jogadores do mundo, poderão fazer com as respectivas selecções.

Mas o Mundial tem muito mais. Noutro ângulo de interesse, coloca-se África, continente que vem da "ressaca" do seu primeiro campeonato do mundo, África do Sul 2010. Este continente regressou à sua quota habitual de cinco participantes, depois das excepcionais seis nações na edição passada devido à condição de anfitrião.

Ghana, Nigéria, Cote DIvoire, Argélia e Camarões são a esperança de um continente que continua a municiar clubes e até selecções da Europa pela qualidade dos seus executantes, porém nunca passou dos quartos-de-final.

Os cinco representantes africanos já tem passagens pela copa do mundo e particularmente o Ghana, que deve ter na memória "a mãozinha uruguaia", que a afastou de uma histórica qualificação a África do Sul2010.

Há quatro anos, na disputa do passe às meias-finais, Suarez desviou a bola com a mão, na linha do golo. Na sequência os ghanenses falharam a grande penalidade da qualificação.

A Nigéria, actual campeã de África, a Cote d'Ivoire, do melhor jogador africano (Yaya Touré) e do veterano Drogba, bem como os Camarões, primeira selecção africana a atingir os quartos-de-final num Mundial, liderados por Eto'o e inspirados no histórico Roger Milla, são as grandes esperanças. Completa o quinteto a Argélia que procura retornar aos momentos altos da Copa de Espanha/1982.

O grande objectivo dos africanos será a entrada no grupo dos quatro, ou seja, atingir as inéditas meias-finais, que estiveram muito perto de acontecer na África do Sul. Porém, em função do enquadramento na primeira fase, a Nigéria é que mais esperanças dá de ir mais longe.

Com o experiente guarda-redes Enyeama e atacantes como Mikel, os nigerianos têm um grupo superável, com Argentina, Irão e Bósnia-Herzegóvina. Em caso de apuramento no grupo, as super-águias teriam pela frente nos oitavos-de-final adversários como a Suíça, Equador, França ou Honduras.

Os Camarões estão ao lado do Brasil, México e Croácia. Caso consiga uma das duas vagas, vão enfrentar entre Espanha, Holanda, Chile ou Áustria.

A Cote dIvoire vai lutar pelo apuramento contra o Japão, Colômbia e Grécia, o que representa grandes esperanças para Drogba, Yaya Touré e pares. Na etapa seguinte, o adversário seria Itália, Inglaterra, Uruguai ou Costa Rica.

O Ghana, que foi a maior referência dos africanos em 2010, vai discutir o apuramento no grupo de Portugal, Alemanha e Estados Unidos, e mais adiante, teria pela frente a Rússia, Bélgica, Coreia do Sul ou a Argélia.

Entretanto, as possibilidades dos argelinos nesse grupo (Rússia, Bélgica, Coreia Sul) são escassas, mas se ocorrer, as chances continuam reduzidas no cruzamento com Portugal, Alemanha, Ghana ou EUA.

Entre as ausentes de África estão os Palancas Negras. Efectivamente, depois de uma estreia auspiciosa na edição da Alemanha2006, onde conseguiu dois pontos, Angola regista a sua segunda ausência consecutiva. Curiosamente, falhou edições em países de grande intimidade: quando a prova decorreu na sua região geopolítica (África do Sul) e agora num país da mesma comunidade (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa)

Da "bancada", os angolanos estão a assistir ao Mundial, revivendo com saudade momentos emocionantes do histórico apuramento de Kigali, com golo do "capitão" Akwá.

Também virá à memória a festa que se seguiu ao inédito feito do país, e a cabeçada certeira de Flávio Amado frente ao Irão, que consta das estatísticas mundiais do futebol como o primeiro golo de Angola num campeonato do mundo. Resta aos Palancas Negras trabalhar para tentar o retorno para "Russia2018".